• Diogo Oliveira

Missão: Truques para Fotografar o Abelharuco, Aves de Portugal

Não é todos os dias que se tem tanta sorte!! Não estou a falar de ver ou ouvir os abelharucos (Merops apiaster), não, porque isso acontece todos os dias aqui no Alentejo. Estou sim a falar de os conseguir fotografar com uma luz espetacular, ou seja, com Sol, muito Sol. Hoje, quarta-feira dia 10 de Abril, não foi um desses dias. O céu estava extremamente nublado e mais aparentava um dia de chuva, onde o Sol nunca conseguiria espreitar para dar a sua beleza nas paisagens ainda encharcadas das últimas semanas de chuva. Mas por entre os dilúvios que caem por aqui e por ali de meia em meia hora, consegui ter uma benesse que durou pouco mais de 5 minutos. Pouco tempo para conseguir uma boa fotografia, para conseguir equilibrar tudo de forma a sair a fotografia perfeita, mas quando tudo corre na perfeição, a sorte parece ser apenas um acaso.

Tudo começou quando saí de casa para ir "trabalhar", como faço quase todos os dias, saí com um relativo atraso. E deparei-me com um mirabolante espetáculo de cores e voos acrobáticos de um grupo de cerca de dez abelharucos a alimentarem-se de insetos perto do chão, pois a chuva impede-os de voarem mais alto ou mais longe. Sem perder tempo, regressei a casa para ir buscar a máquina fotográfica. O dia não era perfeito, mas o simples fato de estarem ali despertou a minha vontade de os fotografar. Sem perder muito tempo coloquei o carro perto de uma das árvores onde eles gostam de poisar e esperei. Nada de abelharucos, estavam entretidos a alimentarem-se e a utilizarem os postes do sistema de rega como poiso de caça. Mas heis que um deles faz um voo rasante ao capô do carro e para na árvore mesmo ao meu lado. Apontei a máquina, foquei e no momento em que ia a dar o primeiro disparo o Sol apareceu e iluminou o abelharuco. Num espetáculo sem precedentes, tive oportunidade de os fotografar durante 5 minutos de Sol e chuva.