• Diogo Oliveira

Missão: Sucesso a Fotografar o Rolieiro, Aves de Portugal

Há muito que ambicionava fotografar um rolieiro (Coracias garrulus), consegui fotografar um individuo na Barroca d'Alva mas a uma distância muito grande.


Já passava das cinco da tarde quando finalmente chegámos ao local onde iria encontrar alguns indivíduos de rolieiros, mas não sabia bem onde estavam nem como os iria fotografar. E era necessário definir uma estratégia para o dia seguinte.

No dia seguinte e com a estratégia finalmente em ordem, foi chegar e fotografar, rapidamente se adaptaram à presença do carro e do camuflado, era apenas mais um arbusto que surgiu ali de repente, e começaram a realizar as suas rotinas diárias. É fácil compreender quando deixamos de ser uma ameaça porque eles entram no ninho com comida, uma ave quando se sente em perigo ou ameaçada tem tendência a afastar a ameaça para longe do ninho. Quando começou a concentrar-se apenas na alimentação das crias fiquei contente por tal acontecer, pude observar vários comportamentos dos progenitores a alimentarem as crias, mas isso significava que não iam posar para as fotografias.

De 5 em 5 minutos um dos progenitores chegava com comida no bico, passava rente ao capô do carro e entrava no ninho colocado numa habitação abandonada. Tinha pouco tempo para os fotografar, pois largavam a comida e saiam disparados para ir buscar ainda mais comida, a velocidade era infernal. Só quando paravam no topo do edifício é que os conseguia fotografar e começam a ser poucas as vezes que tal acontecia. Mas o prazer de ver o frenesim que era a alimentação era extraordinário e ter a oportunidade de testemunhar isso vale muito bem acordar às 5h da manhã.