• Diogo Oliveira

Artigo: Noitibó-de-nuca-vermelha, Aves de Portugal

O noitibó-de-nuca-vermelha, Caprimulgus ruficollis, é um visitante de verão na região da Península Ibérica. Menos de metade da população mundial reprodutora nidifica na Europa. Estima-se que na Península Ibérica existam cerca de 100.000 pares reprodutores, destes apenas 10.000 se reproduzem em Portugal.



É uma ave comum no sul da Península Ibérica, embora a sua área de distribuição seja ainda pouco conhecida. Pouco se conhece sobre a biologia desta espécie e existem poucos estudos sobre eles. Um dos aspetos mais importante e com poucos detalhes de conhecimento é a sua ecologia reprodutiva.

Os noitibós-de-nuca-vermelha depositam os ovos entre Maio e Agosto, e são usualmente depositados 2 ovos por casal. Uma das ameaças principais é a destruição dos ninhos, devido a trabalhos ou práticas agrícolas.



Para além da possibilidade de serem predados por aves de rapina diurnas, ou por mamíferos carnívoros, como o sardão (Timon lepidus). O período mais crítico é durante a incubação e criação das crias, no entanto, estas aves possuem várias estratégias para afugentar os predadores da região do ninho. Para além da excelente camuflagem que possuem podem por vezes fingir-se doentes ou aleijados de forma a chamar a atenção dos predadores.



Um dos aspetos controverso sobre a biologia dos noitibós é o movimento dos ninhos durante o período de incubação como resposta defensiva contra a perturbação do ninho. Para tal proeza, os progenitores colocam os ovos no bico ou nas patas, eles mudam-nos facilmente do local, no entanto, são necessários mais estudos científicos sobre a biologia e ecologia desta interessante espécie.