• Diogo Oliveira

Artigo: Mocho-galego, Aves de Portugal

O mocho-galego (Athene noctua) é uma pequena ave de rapina da família Strigiformes. Habita planícies e colinas não habitadas pelo ser humano, mas também áreas agro-pastoris, prados e até pequenos estabelecimentos rurais (de pequena dimensão, como herdades na zona do Alentejo). Esta espécie cosmopolita encontra-se distribuída por toda a Eurásia, no norte e este de África, na Arábia, no sul do Irão, no norte da China, entre outros.


Mocho-galego (Athene noctua) que nunca se deixou fotografar, preferia ficar nos ramos atrás do meu abrigo, e apenas me vinha cumprimentar quando não levava a máquina comigo.

Os mochos-galegos encontram-se ativos tanto durante o dia como durante a noite, no entanto, eles caçam sobretudo no crepúsculo e durante a noite. No verão também se alimenta durante o dia, especialmente em zonas abertas. São aves de rapina generalistas, não existindo nenhuma presa especifica em que se tenham especializado. Durante a época de reprodução, o mocho-galego alimenta-se maioritariamente de invertebrados (escaravelhos e gafanhotos), sendo o resto da sua dieta constituída por mamíferos (roedores), répteis e algumas aves (de pequeno porte). No entanto, são os mamíferos que lhes fornecem a maior quantidade de biomassa, e os invertebrados os que são consumidos em maior quantidade (cerca de 8/10) representam uma pequeníssima porção da biomassa consumida (1/10).


Mocho-galego (Athene noctua) um macho a vocalizar em clara marcação de território na região alentejana.

O mocho-galego é uma espécie territorial, expulsando os competidores através da combinação de chamamentos, ameaças e ataques. Ao controlarem um território beneficiam do acesso exclusivo a recursos como a alimentação, parceiros e locais de nidificação. Para manter estes territórios existem variados custos individuais, como a perda de tempo, custos energéticos necessários para sinalizar, patrulhar o território e perseguir outros competidores. Mas também há um aumento dos riscos de predação e de morte, por vezes a ave pode ficar com ferimentos quando o combate é desenlace de encontros com outros competidores.


Mocho-galego (Athene noctua) um indivíduo fotografado no Estuário do Tejo (Pancas)

Existem vários fatores de mortalidades não naturais, a principal e mais estudada, é a mortalidade por atropelamento (trafego automóvel), no entanto, a caça também constitui um importante fator de mortalidade. A captura ou remoção de crias dos ninhos é também uma prática ilegal (e em expansão). Tanto para a caça, como para a captura, os valores podem estar subestimados, isto porque é mais simples descobrir indivíduos mortos nas estradas do que descobrir estas práticas ilegais.


Uma outra causa de mortalidade é a contaminação com substâncias toxicas. Existem vários casos de mochos-galegos com elevadas concentrações de metais pesados, sugerindo a possibilidade de exposição cronica. Os metais pesados mais comuns são o chumbo, o crómio e o cadmio. Estes metais pesados de uso industrial e baixa reatividade química são responsáveis pela maioria das contaminações ambientais e são também responsáveis por fenómenos de bioampliação porque podem ser facilmente transmitidos pelo ar, agua ou alimentos, e facilmente sobem na cadeia alimentar. Nos predadores não migradores é facilmente observado o processo de bioampliação pois possuem elevados valores dos contaminantes (metais pesados).


Para mais fotografias consultar a galeria desta espécie no link: GALERIA MOCHO-GALEGO