• Diogo Oliveira

Artigo: Grou, Aves de Portugal

Os grous (Grus grus) podem chegar a medir 245 cm de comprimento de asas. Esta grande e elegante ave forma grandes bandos durante o inverno. Esta tática permite que as aves percam menos tempo a vigiar por sinais de perigo (predadores) e disponham de mais tempo para procurarem alimento. O número elevado de grous significa mais cabeças a vigiar, por isso, podem alimentar-se durante mais tempo mas mantendo o mesmo nível de segurança. No entanto, grandes bandos de aves levam ao aumento dos conflitos entre indivíduos pelo acesso aos melhores locais de alimentação.


Fotografia close-up de um grou (Grus grus).

Reproduzem-se no norte da Europa, e a migração toma dois rumos. Parte da população migra para a região este do mar mediterrânico e a outra parte da população migra para oeste do mar mediterrânico. Mais concretamente, as regiões da península ibérica e norte de África. A migração ocorre para escaparem aos invernos rigorosos do norte da Europa, na busca de melhores condições de alimentação. Chegam a concentrar-se cerca de 3000 aves em todo o território nacional. A maioria destas aves instala-se na região alentejana, perto da fronteira com a Extremadura espanhola.

Dois grous (Grus grus) fotografados a alimentarem-se na região alentejana.

Procuram zonas cultivadas, pousios, pastagens naturais e montados, geralmente zonas pouco densas e com poucos matos. Locais onde se podem alimentar de matéria vegetal. Os principais alimentos ingeridos consistem em raízes, rizomas, tubérculos, folhas, caules e sementes. Na região alentejana alimentam-se preferencialmente de bolotas e de cereais. Podem também alimentar-se de invertebrados e anfíbios. Nas áreas de reprodução chegam a incluir na sua dieta pequenos mamíferos, peixes, ovos e crias de aves. Os grous tendem a concentrar-se nos locais mais favoráveis e com melhores condições de alimentação. Sendo fiéis aos locais, regressando ano após ano.


Ao cair da noite os bandos concentram-se num mega bando para voarem em segurança para os dormitórios. Chegam a concentrar-se mais de 400 indivíduos num único bando. Estes locais são frequentemente associados à água, como açudes e charcas pouco profundas. Locais tranquilos. Longe de casas ou estradas. Com boa visibilidade. Declive pouco acentuado e pouca vegetação. Preferindo margens pouco profundas de rios ou albufeiras, onde pernoitem em grandes bandos e em segurança.


Grou (Grus grus) a beber água.

Fotografar os grous é uma tarefa complicada. É difícil aproximarmo-nos o suficiente ou escolher o local adequado para colocar um abrigo fotográfico. Pois eles escolhem os locais de alimentação consoante lhes dá na cabeça. Nunca regressam no dia seguinte, mas podem regressar dois ou três dias depois. Adivinhar esse dia pode ser complicado.


Para mais fotografias consultar a galeria desta espécie no link: GALERIA GROU


Casal de grous (Grus grus) a pastar, com o macho a aprumar as penas.