• Diogo Oliveira

Artigo: Goraz, Aves de Portugal

O goraz ou garça-noturna (Nycticorax nycticorax) passa os dias escondido em árvores, a alguns metros do seu local de alimentação. Aparecem junto aos locais de alimentação apenas durante a noite, quando nenhuma atividade humana os perturba. São aves migradoras e nidificam cerca de 50 casais em Portugal Continental. A destruição do habitat tem sido a principal causa de desaparecimento, como a drenagem das zonas húmidas, o corte de árvores e a perturbação dos locais de nidificação.

Goraz (Nycticorax nucticorax) num lago em Lisboa.

Os adultos apresentam uma coloração acinzentada, pretos no dorso e no topo da cabeça e brancos na região do pescoço, apresentando os olhos com um vermelho vivo. Os juvenis possuem uma coloração acastanhada com pintas brancas e o olho apresenta uma coloração laranja, ao invés do vermelho dos adultos. São bastante diferentes dos adultos, no entanto, tanto o adulto como o juvenil são inconfundíveis. 


Alimentam-se de peixes, anfíbios e insetos, perseguindo-os em águas pouco profundas ou partir de um local estacionário sobre a água, também podem alimentar-se de crustáceos, répteis (cobras e lagartos), pequenos roedores, moluscos, aranhas, sanguessugas e outras aves juvenis. Podem capturar até 12 peixes com cerca de 90 gramas cada por noite. Alimentam-se em lagoas costeiras, em lagos interiores, em cursos de água, estuários, pântanos, pauis, açudes, barragens, charcas, lagoas, e por vezes em lagos oceânicos criados pelas marés nas praias.

Goraz (Nycticorax nucticorax) juvenil fotografo nos jardins da Fundação Calouste Gulbenkian para o projeto "Um Mês...Uma Ave".

É uma ave colonial durante a época de reprodução, nidificando em grupo no topo de árvores ou em grandes colónias juntamente com outras garças mais pequenas em florestas, matos altos, pântanos ou lagos, estes últimos servem também de local de alimentação. Por vezes nidificam em árvores nas avenidas das cidades, como é o caso da colónia que nidifica no Jardim Zoológico de Lisboa. Ambos os progenitores colaboraram na construção do ninho, na incubação e alimentação das crias durante três semanas após nascerem.


O macho recolhe os ramos e entrega-os à fêmea que depois os utiliza para construir o ninho. Colocam entre 3 a 5 ovos, que são depositados com dois dias de intervalo. O período de incubação demora entre 24 a 26 dias. Ambos os progenitores alimentam as crias, regurgitando os alimentos. Os juvenis abandonam a proteção do ninho passadas duas semanas, no entanto, ainda não sabem voar e por isso permanecem em ramos perto do ninho por mais três semanas, não se afastando do ninho. À 6ª ou 7ª semana já conseguem voar bem e seguem os progenitores até aos locais de alimentação.


Para mais fotografias consultar a galeria desta espécie no link: GALERIA GORAZ

Goraz (Nycticorax nucticorax) fotografado no jardim zoológico de Lisboa onde adoram ir roubar o alimento fornecido a algumas espécies, neste caso aos flamingos.